<img height="1" width="1" style="display:none;" alt="" src="https://dc.ads.linkedin.com/collect/?pid=44935&amp;fmt=gif">

Aprendizado baseado em projetos com o projeto “Lead the Way”

Aprendizado Baseado em Projetos

Uma das maiores tendências na educação dos últimos anos nos Estados Unidos tem sido uma proliferação do aprendizado com base em projetos. Esse estilo de ensino permite que os alunos desenvolvam habilidades aplicáveis na vida real e que eles ganhem conhecimento ao investigar problemas e desafios complexos.

Os alunos são incentivados a criar seus próprios fluxos de trabalho e a fazer decisões sobre a apresentação de seus resultados. Outro elemento importante do aprendizado baseado em projetos é a inclusão de técnicas cooperativas de aprendizagem. Isso significa trazer vários alunos de habilidades diversas a um projeto para que eles colaborem e trabalhem juntos para realizar uma apresentação final.

Michael Burke e Josh Clemmer são educadores de ciência biomédica no colégio Bel Air High School e incorporam o aprendizado colaborativo e baseado em projetos através do Project Lead The Way (PLTW).  Project Lead The Way é a maior organização de aprendizado de ciência, educação, tecnologia e matemática dos Estados Unidos e, por acaso, a Bel Air High School é uma escola-modelo nacional do PLTW.

Aprendizado Baseado em Projetos

Na Bel Air High School, Michael e Josh focaram no currículo biomédico do PLTW. Os alunos inscritos em uma dessas aulas não têm provas ou exames. Como diz o Michael, “a integralidade da sua avaliação é baseada em projetos, então um aspecto chave disso é a organização do projeto, a criação de um cronograma, de responsabilidades e checklists. Todas as coisas para as quais podemos usar o Trello, e é por isso que gostamos tanto de usá-lo.”

Cooperando na sala de aula

Michael e Josh normalmente começam projetos de aprendizado cooperativo dividindo os alunos em grupos de três ou quatro. Em seguida, eles criam um novo quadro do Trello para cada grupo e inserem todos os membros do grupo ao quadro. Os grupos recebem uma folha com instruções para seu projeto e dessa folha os alunos tiram todos os requerimentos do projeto e criam um novo cartão para cada tarefa que têm que cumprir para terminar seu projeto.

Como os alunos só recebem um prazo para a entrega da apresentação final, eles dão um prazo de entrega a cada cartão para permitir que eles se planejem. A partir daí os alunos dividem as tarefas e criam checklists para separar os passos necessários para completar essas tarefas. Ao acabar as tarefas, os alunos vão movendo os cartões para sua lista de “concluídos”, e gostamos de imaginar que um carnaval celebrativo reverbera na sala de aula.

Aprendizado Baseado em ProjetosInteraja com esse quadro no Trello – Clique aqui!

Claro, às vezes grupos de alunos esquecem que a colaboração é a chave desses projetos e então aplicam uma filosofia de “dividir e conquistar”, mas o Josh gosta de enfatizar aos seus alunos que esse é um dos maiores erros que os alunos podem cometer.

“Confie, mas também verifique que todos estão fazendo seu trabalho de maneira eficaz,” diz Josh. Como ele diz aos seus alunos, “a parte da colaboração é onde você realmente ganha suas habilidades. Você precisa ter um acordo com o grupo em que todos progridem e todos vêm os progressos dos outros, onde você saiba o que seu parceiro está fazendo e o que os membros do seu grupo farão em seguida.”.

Ao manter-se mutualmente responsáveis, os alunos trabalham melhor juntos e desenvolvem projetos de maior qualidade.

Uma nova perspectiva da avaliação pelos pares

Uma vez que os alunos completaram seus projetos, eles apresentam o produto final aos seus pares, Michael e Josh incorporaram o Trello ao processo de avaliação pelos pares. Enquanto os alunos apresentam o projeto, seus pares podem deixar comentários e avaliações sobre o projeto em cada cartão do Trello do grupo.

Em uma exibição de cartazes recente, Michael e Josh penduraram os cartazes dos alunos nos corredores da escola, e depois usaram os iPads da escola para permitir que cada aluno ande pelos corredores deixando sua opinião no Trello ao considerar o cartaz.

Aprendizado Baseado em Projetos

A ponta do iceberg do Trello

Michae e Josh continuam explorando todas as maneiras em que podem usar o Trello em sua sala de aula e a través da Bel Air High School. Mais recentemente, usaram o Trello para uma aula de triagem de sala de emergência. Cada aluno recebia 15 pacientes, cada um com um processo contendo as razões de sua admissão na sala de emergência. Os alunos então deviam decidir quem deveria ver um médico imediatamente, e quem deveria esperar.

Michael e Josh criaram um cartão para cada paciente e os alunos arrastavam o cartão às listas correspondentes “urgente” ou “não urgente”. Os alunos então comentavam nos cartões dos pacientes e discutiam suas escolhas.

Eles também começaram a usar o Trello com seus colegas da Bel Air High School para a equipe de desenvolvimento escolar, e dizem que é só a ponta do iceberg.

No final das contas, Michael e Josh gostam do fato que, com o Trello, eles só têm que ensinar aos alunos um sistema, mas que ele pode ser usado para muitas coisas diferentes.

Como diz o Michael, “As habilidades mais importantes que ensinamos a través do Project Lead the Way são a colaboração, a automotivação, e todas as habilidades sociais que são necessárias no mercado de trabalho atual. Percebemos que o Trello é um ótimo jeito de iniciar os alunos a isso, e de fazer com que eles cheguem a um nível mais avançado”.

Agradecemos ao Michael Burke e ao Josh Clemmer por tomar o tempo de compartilhar conosco as maneiras que eles usam para trazer novas perspectivas à sala de aula digital.

Você está usando o Trello na sua escola? Adoraríamos ouvir sua história! Conte-nos no Twitter, no Facebook, ou nos comentários abaixo.