Fugindo da culpa? Como parar de dar desculpas esfarrapadas

como parar de dar desculpas esfarrapadas

Você fez uma resolução de Ano Novo de correr pelo menos três vezes por semana, mas consegue contar nos dedos as poucas vezes que calçou seu tênis de corrida.

É fácil dar desculpas esfarrapadas para justificar o não cumprimento da sua meta — porque está trabalhando demais, está muito frio (ou muito calor) para correr ou por qualquer outra razão.

Então, em vez de confessar os motivos pelos quais você não está cumprindo sua meta, você não consegue parar de arrumar desculpas e coloca a culpa em outras coisas. Sim, isso faz você se sentir melhor na hora, como um jato de pressão escapando de uma válvula.

Por que fugir da culpa é tão fácil? Como podemos parar de dar desculpas esfarrapadas?

Neste texto, vamos explorar os motivos pelos quais é tão tentador dar desculpas, além de abordar como parar de fazer isso.

Por que damos desculpas esfarrapadas?

Arrumar desculpas é psicológico, e esse hábito é uma necessidade inerente de proteger seu ego.

Sua mente quer que você se enxergue no espelho como uma pessoa ética, honesta e moral. Então, quando você se encontra em uma situação oposta a isso, como perder o prazo no trabalho ou esquecer o aniversário da sua melhor amiga, você dá desculpas para proteger uma imagem positiva da sua identidade.

As desculpas servem de mecanismo de defesa na batalha entre sua identidade positiva e os desafios comuns da vida diária.

Em vez de admitir para sua melhor amiga que você esqueceu completamente o aniversário dela, você pode ligar no dia seguinte e dizer que trabalhou até tarde, mesmo que tenha ficado em casa fazendo maratona no Netflix.

Ao colocar a culpa em algo que parece estar fora do seu controle, você consegue proteger sua identidade e evitar sentimentos de culpa ou ansiedade.

Essa prática de proteger sua identidade também é conhecida como viés de conveniência. O viés de conveniência nos incentiva a abraçar nossas conquistas e a nos esquivarmos de nossos fracassos. Isso quer dizer que, quando algo de bom acontece, você quer o mérito, mas quando é algo ruim, você culpa algo que está fora do seu controle.

As desculpas servem de mecanismo de defesa na batalha entre sua identidade positiva e os desafios comuns da vida diária.

Pense sobre sua última conquista no trabalho. Você provavelmente atribuiu o sucesso às horas extras que você trabalhou e à ótima estratégia que você e sua equipe criaram para alcançar esses resultados positivos.

Se a campanha não teve bom desempenho, você talvez tenha encontrado um motivo externo para culpar, como o público-alvo que não está engajado ou alguém na equipe que não se esforçou.

Sim, você quer ser a melhor versão de si. Porém, é importante enfrentar seus erros e fracassos também.

Quando você consegue parar de arrumar desculpas e reconhece os tipos de justificativas que você dá para amigos, parentes e colegas de trabalho, consequentemente você consegue lidar com os motivos reais por trás dos resultados ruins, alcançando mais sucesso da próxima vez.

O mau hábito de fugir da culpa

Arrumar desculpas começa cedo, geralmente quando ingressamos na escola. O famoso acidente de “o cachorro comeu minha lição de casa” vem desse hábito precoce.

Em vez de falar para a professora que você não quis terminar a lição, você culpou um fator externo, como o cachorro, pelo fato da lição não ter ficado pronta. Agora, seu amiguinho peludo pode até gostar de morder, mas não merece ser acusado injustamente.

desculpas esfarrapadas

Realmente, esse mau hábito de colocar a culpa em outras coisas começa cedo e nos acompanha até a vida profissional. Dar desculpas esfarrapadas parece mais fácil do que explicar a verdade por trás da procrastinação ou da baixa produtividade.

Aqui estão os tipos mais comuns de desculpas esfarrapadas:

  • Mentiras: Esse é um dos piores tipos de desculpa — a mentira na cara dura. Já que nosso nariz não cresce como o do Pinóquio sempre que mentimos, é uma fuga rápida quando precisamos pedir desculpas. Você já usou uma mentira para estender um prazo na faculdade dizendo para o professor que você teve uma “emergência na família”? (Eu já.) A mentira faz parecer que a situação estava fora do seu controle e que você não teve escolha, a não ser perder o prazo.
  • Desculpas de auto-sabotagem: Quando você não se preocupa muito com proteger seu ego, um tipo comum de desculpa é a auto-sabotagem, como: “Não tenho habilidade para fazer isso”, Não é meu trabalho fazer isso” ou o trabalho que entreguei não está bom. Fingir um mau desempenho pode atrair a empatia dos colegas de trabalho. Se você arruma uma desculpa para justificar por que o trabalho que você enviou não é da melhor qualidade, seus colegas de trabalho podem ser mais compreensivos, de acordo com Dr. Andrew DuBrin, professor emérito na Rochester Institute of Technology em Nova York que pesquisou o assunto.
  • Desculpas se esquivando da culpa: Nessa situação, em vez de colocar a culpa na sua falta de habilidade, você acusa fatores externos como responsáveis por seus erros ou mau desempenho. Em uma pesquisa na Universidade Fairfield em 2012, pesquisadores descobriram que colegas de trabalho perdoam com mais facilidade quando acreditam que os erros foram causados por fatores externos que estão fora do seu controle. É por isso que perder o trem é uma desculpa comum e, muitas vezes, justificável.

Embora as desculpas esfarrapadas sejam tentadoras e sirvam como uma fuga fácil de uma situação desconfortável, elas podem causar mais danos no longo prazo, como produtividade baixa, aumento de ansiedade e procrastinação.

Como parar de dar desculpas esfarrapadas e assumir a responsabilidade

Quem é bom em dar desculpas raramente é bom em fazer qualquer outra coisa.

– Benjamin Franklin

O Sr. Franklin deve ter passado um bom tempo trabalhando lado a lado com outras pessoas para formar uma opinião tão forte sobre quem dá desculpas esfarrapadas. Porém, só porque você já deu desculpas na vida não quer dizer que você não consiga interromper esse mau hábito.

Praticando regularmente algumas das estratégias a seguir, você vai começar a alinhar com mais honestidade a sua fala com a sua atitude:

Determine os motivos pelos quais você arruma desculpas 📌

O primeiro passo para assumir a responsabilidade e aprender como parar de dar desculpas esfarrapadas é descobrir o motivo exato pelo qual você está fazendo isso. Você se dá prazos curtos demais para terminar projetos? Está trabalhando demais e precisa de mais ajuda? Está dormindo o suficiente? Separar um tempo para analisar seus desafios vai mostrar como e onde você precisa melhorar para não usar as desculpas como justificativa para o seu mau desempenho.

Crie hábitos melhores para o seu cérebro 🧠 

Como um cachorrinho, você pode ensinar novos truques para o seu cérebro. Dar desculpas é um processo subconsciente, e interromper um hábito exige esforço consciente. O córtex infra-límbico (IL) no córtex pré-frontal do seu cérebro se dedica exclusivamente a desenvolver hábitos. Em um experimento com ratos, pesquisadores viram que o córtex infra-límbico prefere novos hábitos a hábitos antigos. Ao ficar atento a quando você dá desculpas e os tipos de desculpas, você pode ativamente prevenir esse hábito no futuro. Você controla os hábitos do seu cérebro, então pause para refletir e assuma o controle!

Estabeleça expectativas realistas 🏆

Se você percebe que está dando muita desculpa de auto-sabotagem ou atribuindo a culpa a outras coisas, suas expectativas e metas podem estar fora de controle. Alinhe suas metas ao seu estilo de trabalho adequadamente e estruture seu tempo e sua energia em uma agenda que permita concluir tarefas e aprender coisas novas sem sentir que precisa dar desculpas esfarrapadas quando seu desempenho não é o melhor. Você pode usar um app para monitorar tempo, como o Harvest, para ver quanto tempo você leva para terminar certas tarefas no trabalho. Isso vai deixar claro de quanto tempo você realmente precisa quando sentar com seus colegas de trabalho e gestores para estabelecer os prazos de um projeto. E se você perceber que está recorrendo à desculpa de que não sabe fazer algo ou não tem certas habilidades, pode marcar um horário pessoal por algumas horas por semana para aprender essa habilidade nova. Um pouco de esforço semanal para estudar faz muita diferença.

Monitore seu progresso ⏰

Uma meta é apenas um sonho até você escrevê-la. A principal maneira de parar de dar desculpas esfarrapadas é monitorando o progresso das suas metas. Já que as desculpas permeiam todas as áreas da sua vida, você pode usar um mapa mental para conectar suas metas pessoais e profissionais. Então, você pode transformar suas metas em tarefas semanais menores em um processo de lista de tarefas semanais pendentes. Assim, da próxima vez que alguém perguntar como está indo sua meta de ler 52 livros no ano, você não vai precisar arrumar uma desculpa e dizer que não tem tempo para ler tantos romances assim. Em vez disso, vai poder falar com segurança que você já leu 30 livros e que já está quase atingindo sua meta.

Não tenha medo de fracassar 😬

O fracasso é um obstáculo na jornada para desenvolver melhores hábitos e assumir responsabilidade. Então, da próxima vez que você tropeçar e perceber que voltou a dar desculpas esfarrapadas, simplesmente registre esses momentos em um diário ou quadro do Trello para se responsabilizar por isso na próxima vez.

Pare de dar desculpas, você consegue

É conveniente depender de desculpas para fugir de uma situação desconfortável ou proteger nosso ego. Porém, no fim das contas, essas justificativas constantes desgastam nossa produtividade e podem gerar certo nível de complacência.

Da próxima vez que você culpar o tempo por já ter passado algumas semanas sem ir correr, jogue essa desculpa fora e entre no ritmo para desenvolver melhores hábitos.

Seja algo negativo ou positivo, adoraríamos ouvir o que você acha. Escreva para atendimento@trello.com.

Leia mais: Hábitos de sucesso matinais por quem entende de produtividade