4 Razões para desenvolver empatia no ambiente de trabalho

empatia no ambiente de trabalho remoto

Você se considera uma pessoa que tem empatia no ambiente de trabalho? Você sempre tem disposição para ouvir a última aventura dramática do seu colega ou prefere restringir os assuntos ao nível corporativo?

Uma pesquisa recente sobre “O estado da empatia no ambiente de trabalho em 2018” relatou que 96% dos entrevistados avaliaram a empatia como uma qualidade importante de as empresas terem. Apesar disso, 92% dos funcionários acreditam que a empatia continua desvalorizada em sua empresa, representando um aumento na porcentagem de anos anteriores.

A definição de empatia é não apenas compreender a perspectiva de outra pessoa, mas realmente se colocar no lugar dela e sentir junto aquelas emoções. É uma pedra angular da inteligência emocional aplicada no gerenciamento de equipes, e quando existe empatia no ambiente de trabalho, há inúmeras pesquisas que correlacionam isso a um aumento da felicidade no trabalho, produtividade e retenção dos funcionários.

Então, empatia no ambiente de trabalho é algo desejável e muitas pessoas se acham empáticas, mas na prática essa empatia não está se refletindo na realidade. Essa desconexão é agravada pela expansão do trabalho remoto, que elimina grande parte da interação presencial de um escritório tradicional. (Precisa de algumas dicas para fazer o trabalho remoto dar certo?)

O trabalho remoto, por definição, elimina a necessidade de pessoas da mesma empresa trabalharem no mesmo local físico. Isso significa que aquelas interações simples e espontâneas não acontecem naturalmente da maneira que aconteceriam na cozinha do escritório ou em outro espaço social. Essas conversas informais são ótimas para criar um elo e demonstrar empatia no trabalho. Para elas acontecerem em times remotos, esse processo precisa de mais energia.

A falta de empatia pode ter um impacto extremamente negativo no seu time remoto, e se isso não for corrigido, pode atrapalhar a dinâmica do time e levar à síndrome de burnout com sintomas perceptíveis, à baixa produtividade e à alta rotatividade. Vamos dar uma olhada em alguns exemplos de diferenças em equipes que podem acidentalmente levar a uma falta de empatia no ambiente de trabalho, e em como identificar essas situações antes de impactarem seu relacionamento com seus colegas de trabalho:

As diferenças geográficas e o poder da empatia

Vamos considerar uma verdade geográfica simples: se você tem um time remoto localizado em São Paulo, Rio Grande de Sul, Bahia e Amazonas, é provável que em julho o estado de espírito seja bem diversificado.

O clima de julho é tenso no RS, sendo frequente a formação de geada. Enquanto isso, quem mora em Salvador pode estar passando seus dias feliz da vida, curtindo um alívio do calor extremo do verão.

porto alegre — empatia profissional por quem passa frio

Fonte da imagem: The Guardian

Para alguns, essas mudanças de humor induzidas pelo clima acontecem de forma bem expressiva. O Transtorno Afetivo Sazonal (TAS) é uma forma de depressão que ocorre principalmente nos meses de outono e inverno, e dizem que é causado por falta de sol em função dos dias mais curtos durante essa época do ano. Esse fenômeno causa níveis baixos de serotonina, afetando o humor do ser humano. Mesmo que a pessoa não sofra de TAS, morar em uma regiões com clima de tundra geralmente atrai sentimentos de tristeza. 

Ter consciência das diferentes experiências de seus colegas de trabalho pode fazer uma grande diferença para entender por que os níveis de energia podem não bater com o cronograma do sol no seu fuso horário.

Fazer: Tente dar um tom leve (e alegre ☀️) no chat usando tweets engraçados ou memes.

Não fazer: Não lamente a “falta de animação” e convença as pessoas a darem um sorriso falso. Não é genuíno, e existe o risco de dar a impressão de que os sentimentos reais das pessoas não são bem-vindos. Por favor, evite começar reuniões ou ligações de vídeo com um relato completo do clima. Deixe isso para os meteorologistas.

As diferenças de adversidades naturais

Além da geografia, é preciso considerar também as forças da natureza. O clima na Bahia pode ser uma delícia, em geral. Porém, quem mora lá também sofre de intempéries, como a seca. Outro local com clima favorável, Manaus foi recentemente devastado por fortes enchentes.

Se você mora em São Paulo e faz parte de um time remoto, deve ir para o trabalho achando que é um dia normal, mas ser surpreendido por um colega de trabalho que está preocupado com seus parentes e amigos que estão sendo evacuados de suas casas.

Apesar de muitos desses eventos serem facilmente propagados nos jornais, não é sempre tão óbvio relacioná-los a pessoas com quem você interage no trabalho. É aí que entra a empatia profissional.

Fazer: Incentive uma cultura de compartilhamento das realidades no seu time permitindo que as pessoas sejam completamente transparentes. Quando alguém se abre sobre seus desafios em seu contexto, certifique-se de que a pessoa se sente ouvida. Pergunte como você pode ajudar. Organizar uma reunião mensal de integração do time que não gire em torno de projetos e estratégia pode ser uma grande oportunidade para sua equipe remota compartilhar outros aspectos da vida com o grupo.

Não fazer: Não deixe as pessoas em uma saia justa no meio da reunião, pedindo que compartilhem algo ou tratando a experiência delas sem o cuidado adequado. Se você não tiver certeza que elas querem falar sobre o assunto, converse com elas em particular usando um meio assíncrono de comunicação, como chat ou e-mail.

As diferenças de estilo de vida

Há diversas condições de estilo de vida das pessoas que podem gerar falta de concentração no trabalho:

  • Transporte: Atrasos no metrô em São Paulo são cada vez mais comuns e podem acrescentar horas à locomoção de alguém para o trabalho. O trânsito no Rio de Janeiro é conhecido por sua complicação. Esses pequenos inconvenientes no início do dia podem trazer um clima ruim que pode durar até o fim do expediente.

  • Cuidar dos filhos: Se um de seus colegas de trabalho tem bebê em casa, a probabilidade é alta de que ele não dorme metade do tempo de alguém que não tem filhos. Ele também não pode trabalhar até mais tarde, pegar voos de última hora ou encontrar quem cuide dos filhos quando eles não vão para a escola.

  • Doença crônica: Existem muitas doenças que são “invisíveis”, ou seja, os sintomas não são observados externamente. No entanto, isso não significa que elas não causem muita dor em quem as possui. Não presuma que seus colegas de trabalho que estão tirando um monte de dias de folga são folgados — eles podem estar lidando com os desafios de uma condição médica que não é evidente.

Demonstrar empatia por seus colegas de trabalho nessas circunstâncias é sinal de respeito e compreensão de que às vezes eles precisam priorizar outros aspectos da vida fora do expediente.

Fazer: Demonstre compreensão quando surgem circunstâncias fora do controle da pessoa. Às vezes, coisas acontecem. Trate os outros como você gostaria que tratassem você.

Não fazer: Não culpe as pessoas pelas circunstâncias da vida delas. Por exemplo, deixar de incluí-las em um projeto ou chamar atenção à ausência delas na frente do grupo.

 

As diferenças políticas (pronto... falei.)

Essa aqui é interessante, especialmente quando pensamos que a política é um dos assuntos mais polêmicos no ambiente de trabalho. Como desenvolver a empatia nessa situação? No contexto atual de trabalho remoto, os times não estão espalhados apenas em estados, mas também em países diferentes.

Por exemplo, a maior parte dos Brasileiros não tem ideia do que é e não está sendo afetada pelo BREXIT, diferente de quem mora nos países do Reino Unido e da União Européia. Ao mesmo tempo, a situação pode ter causado uma grande distração e desgaste psicológico para quem trabalha daqui do Brasil.

E isso não se limita apenas a eleições. Crises humanitárias acontecem em muitos países no mundo todo, e se você tem colegas de trabalho em outros países, passa a ser mais importante prestar atenção no que acontece nesses lugares.

É difícil ter empatia no trabalho em equipe quando você não sabe o que está acontecendo nas realidades diferentes da sua. O que os olhos não veem, o coração não sente, não é verdade? Mas, se está afetando seu colega, inevitavelmente vai afetar você também.

Fazer: Fale para essas pessoas que você está acompanhando as notícias da região delas e que você está à disposição caso queiram conversar.

Não fazer: Não ofereça sua própria opinião (provavelmente desinformada) sobre o assunto. Deixe quem está passando pela situação ter a oportunidade de falar livremente.

As desvantagens da empatia no ambiente de trabalho

É sempre importante se desafiar a demonstrar empatia no ambiente de trabalho, especialmente se você trabalha remoto. Porém, demonstrar empatia às vezes pode ser um tiro no pé. 😖

A fadiga por compaixão é o fenômeno de quando as pessoas se sentem sobrecarregadas depois de ficarem repetidamente expostas ao sofrimento dos outros. Alguns sintomas característicos são a insensibilidade e, às vezes, até depressão. A plena exaustão por interagir emocionalmente com circunstâncias infelizes é o suficiente para desgastar até quem está apenas observando de longe.

o poder da empatia pode levar à fadiga por compaixão

A insensibilidade é inimiga da empatia, então procure conhecer os sinais e sintomas da fadiga por compaixão e dê uma distanciada quando for preciso. Vale se abrir com seus colegas de trabalho e explicar como está se sentindo.

Outro alerta ao qual se atentar para saber como melhorar o relacionamento interpessoal no trabalho é o viés inconsciente de demonstrar empatia por alguns grupos de pessoas e outros não. De acordo com estudos feitos na Universidade de Harvard, a parte inferior do cérebro, chamada córtex pré-frontal (PFC), é a porção do cérebro que está ativa quando seres humanos exibem sinais de empatia.

Pesquisadores descobriram que o PFC ficava altamente engajado quando os participantes falavam sobre pessoas que eles pensavam que tinham opiniões parecidas com as deles, mas não registrava atividade ao falar sobre aqueles que pareciam diferentes deles em aspectos como filiação política e região de origem.

Logo, é importante lembrar do viés inconsciente, especialmente em um ambiente de trabalho remoto, quando você está conversando e trabalhando com seus colegas de trabalho. E como funciona a empatia no trabalho com esse viés inconsciente? Se você perceber que está demonstrando empatia por alguns colegas e não por outros, vale a pena se perguntar se existe alguma razão por isso. Você tem filhos e demonstra empatia no ambiente de trabalho por outros pais? Você mora em um lugar que faz calor o ano todo, não se dando conta dos desafios de quem passa por longas estações de inverno? Então, como desenvolver a empatia sem o viés inconsciente?

Incorporando a empatia profissional na cultura da sua empresa

Lembre-se de que a empatia é a base de uma cultura positiva no trabalho, e demonstrar que você entende as experiências de seus colegas é uma ótima maneira de desenvolver o senso de comunidade, mesmo em um time remoto. Afinal, o que é trabalho remoto senão uma forma de trabalho em equipe?

Pergunte-se como você está demonstrando empatia no ambiente de trabalho e pense em maneiras de aumentar sua contribuição nisso. Conseguir se colocar no lugar do outro pode ser uma experiência recompensadora quando você se prepara e se esforça para sentir empatia genuína pela outra pessoa.


Seja algo negativo ou positivo, adoraríamos ouvir o que você acha. Escreva para atendimento@trello.com.

Leia mais: O que é trabalho remoto e como integrar times distantes