<img height="1" width="1" style="display:none;" alt="" src="https://dc.ads.linkedin.com/collect/?pid=44935&amp;fmt=gif">

Empreender ou intraempreender: qual é o seu perfil?

empreender ou intraempreender

Muitos sonham em empreender por buscarem desafios mais alinhados às suas habilidades. Mas já pensou em intraempreender?

Uma pesquisa divulgada pelo Instituto Data Folha em 2002 falava que 77% dos entrevistados que estavam empregados pensavam em abrir seu próprio negócio. Recentemente, em um telejornal da Globonews dizia que muitos jovens pensam em criarem a própria empresa.

Afinal, por que empreender é tão importante assim para as pessoas? Por que o conceito se tornou sinônimo de independência?

Empreender ou intraempreender?

A verdade é que empreender nem sempre significa ter o seu próprio negócio. Em diversos estudos sobre o tema, chega-se a conclusão que: empreender trata de ser dono do negócio, ter autonomia de decisão, fugir da rotina, poder criar e inovar. E se tudo isso for possível de ser obtido bem onde você trabalha. O que você faria?

Intraempreendedorismo é a versão em português da expressão ”intrapreneur”, que significa empreendedor interno, ou seja, empreendedorismo dentro dos limites de uma organização já estabelecida.

O intraempreendedorismo (intrapreneuring) é um sistema para acelerar as inovações dentro de grandes empresas, através do uso melhor dos seus talentos empreendedores. É um sistema que oferece uma maneira saudável para reagir aos desafios empresariais do novo milênio.

Eu diria que algumas empresas conseguem implantar o conceito do intraempreendredorismo e muitas pessoas podem fazer acontecer onde atuam. Basta, para isso, ter um olhar de dono do negócio, enxergando além das suas funções e questionando o que podem fazer a mais, não tolerando os desperdícios, o trabalho mal feito, a improdutividade, etc. Nem sempre o intraempreendedor consegue criar um novo produto ou serviço, mas ele pode fazer algo para aumentar a produtividade do que faz. Um novo modo de trabalhar pode ser implementado ou, ainda, um processo pode ser redefinido.

Casos reais

Outro dia estava conversando com a cabeleireira que eu frequento e ela está há 18 anos na mesma empresa. Perguntei se ela tinha vontade de ter seu próprio negócio e ela disse que hoje até poderia pensar, mas ela podia fazer a diferença onde estava.

Ela, então, me contou que a rede de salões onde ela trabalha, tinha um modelo de atendimento e ela percebeu que nos momentos de crise suas clientes acabavam cortando o salão do orçamento para economizar. Foi observando e anotando tudo que ela soube o volume exato de clientes que viriam todas as semanas e o quanto poderia economizar comprando o material todo e negociando melhor com o fornecedor. Para fidelizar suas clientes e garantir o dinheiro para pagar os produtos, ela apresentou ao dono do salão o seu projeto de criação dos chamados “Pacotes de Beleza”.

Como "resolvedora de problemas" que não mede esforços para se destacar em suas funções no salão, ela entregou um projeto além do esperado e acordado para seu cargo. Ganhou a confiança do patrão, implantou seu projeto onde trabalhava e, depois de constatado o resultado, pode aplicar em outras lojas da rede.

Algumas vantagens do intraempreendedorismo

Além da vantagem de não terem que arcar com todas as funções que um negócio próprio exige, ela conseguiu fazer diferente e garantir a receita.

Afinal, no início de um novo negócio você tem que se desdobrar desde a função de office boy a de acionista. E, ainda assim, ser o último a receber o salário. Pois o que ninguém te conta é que para tudo dar certo, primeiro você arca com todos os compromissos financeiros que vão de pagamento de salários até fornecedores e impostos, para só então conseguir fechar a contabilidade e tirar o seu salário.

Agora a decisão é sua empreender ou intraempreender? O que se encaixa no seu perfil? Boa sorte e mãos à obra.