Felicidade no trabalho: como dar um gás na sua produtividade

Felicidade no trabalho

Todo mundo conhece (e inveja) aquela pessoa que é apaixonada pelo emprego. Aquela que literalmente assobia indo para o trabalho, que parece saltitar até o escritório, que adora fazer hora extra, que diz que trabalharia em finanças ou em uma sala de aula, mesmo sem salário.

Tá, talvez essa pessoa não exista. Trabalho ainda é trabalho! Mesmo assim, a meta de encontrar uma carreira que seja tanto uma fonte de felicidade como de uma boa renda não é mais tão impossível.

A maioria de nós passa a maior parte da vida no trabalho. Logo, querer mais do que um mero salário como objetivo profissional não é pedir muito, né? Então, como encontrar a felicidade no trabalho?

Pesquisas mostram que a felicidade no trabalho tem muito menos a ver com o salário e muito mais a ver com o bem-estar como um todo no escritório. Quando o propósito da carreira está claro e o nível de satisfação no emprego está alta, isso pode contribuir muito para a satisfação e autoestima em geral.

Porém, se ainda assim você tem pavor das segundas-feiras, você não está só.

O trabalho ainda é uma fonte de estresse e medo, em vez de paixão e propósito. A geração moderna da força de trabalho está trocando de emprego e ficando sem rumo com muito mais frequência do que as gerações passadas.

Os funcionários estão buscando no trabalho algo que tenha significado e que transmita seus valores pessoais, seus interesses. As recompensas — desde o engajamento à felicidade no trabalho — beneficiam tanto as pessoas individualmente, como as empresas.

trabalho e felicidade

Então, qual é a relação entre ter um senso de propósito e um alto desempenho? Afinal, quem não gostaria de ter mais produtividade e felicidade no trabalho?

O propósito leva à motivação

Pesquisas mostram que 72% dos trabalhadores nos EUA não têm um senso de propósito no trabalho.

Um artigo da Psychology Today, uma revista renomada sobre psicologia, traçou um paralelo entre a hierarquia das necessidades de Maslow e a autorrealização no trabalho, defendendo que só adquirimos um senso de propósito depois de suprir as necessidades relacionadas à segurança e ao psicológico. A teoria de Maslow diz que condições como segurança e fome devem estar estáveis para a pessoa conseguir desenvolver sua autoestima e sentir que faz parte de algo.

No trabalho, isso tem a ver com a hierarquia de como você enxerga seu emprego: como um meio para alcançar um fim, como uma carreira ou como um dever a ser cumprido. A maioria dos trabalhadores parece se concentrar só no básico em vez de se esforçar para atender a necessidades mais elevadas como a paixão e a criatividade.

Uma pesquisa sobre os elementos essenciais para o bem-estar do funcionário define o termo “propósito” como “sentir satisfação com suas atividades do dia a dia e ter motivação para alcançar suas metas”. Mais do que a localização ou a cultura do escritório, o que prevalece são os relacionamentos pessoais, a saúde, a prosperidade, a felicidade no trabalho e o senso de propósito.

Não é surpresa nenhuma que, quanto mais segurança você encontrar no seu propósito (e quanto mais felicidade no trabalho você tiver), mais motivação você vai ter para dar seu melhor e continuar superando os desafios que aparecerem no caminho.

Quando se trata da Geração Y no ambiente de trabalho, pesquisas indicam que os critérios para uma vida bem vivida incluem o sentimento de ligação emocional com o emprego. Para atingir esse nível, precisamos entender não só a função do emprego, mas a razão de ele existir.

Alguns empregadores tentam comunicar isso com clareza, mas, também cabe ao funcionário desenvolver uma perspectiva mais ampla do negócio. Os funcionários precisam saber não só o que estão sendo pagos para fazer, mas a quem seu trabalho está servindo e qual papel específico eles desempenham para alcançar as metas da empresa.

Ou seja, é muito mais fácil parar de apertar o modo “Soneca” no alarme de manhã quando temos empolgação com o que temos a fazer durante a jornada.

O tempo voa quando estamos nos divertindo

Psicólogos já encontraram uma relação entre propósito e o estado de fluxo, que é a sensação de absorção pelo que você está fazendo que chega ao ponto de ignorar tudo à sua volta. Nele, entramos no estado de foco intenso, ou na ‘zona de fluxo’, quando temos extrema concentração na tarefa sendo realizada — às vezes até perdendo noção do tempo.

Sentir esse fluxo no trabalho é geralmente relacionado à motivação intrínseca.

Isso acontece mais com pessoas que têm um forte senso de propósito, o que gera um bem-estar como um todo. “Quanto mais envolvimento sentimos, mais felizes nós somos”, diz o autor e Ph.D em Psicologia, Steve Taylor.

Ter um senso de propósito também contribui para o foco nas metas intrínsecas, tais como crescimento pessoal, autonomia e realização, em vez de conquistas externas como dinheiro e status. Buscar metas intrínsecas aumenta sua autoconfiança, que cresce à medida que você supera seus desafios — e isso acontece com mais facilidade quando você tem um senso de propósito.

A felicidade no trabalho leva à produtividade

Esses sentimentos de motivação, conquista e realização são todos maravilhosos! Porém, existe uma conexão real entre se sentir feliz e trabalhar de forma produtiva?

Um jornal da Universidade de Chicago estabeleceu uma relação científica entre a felicidade e alcançar níveis mais altos de produtividade. Os pesquisadores encontraram uma relação causal entre sentimentos de bem-estar e desempenho como um todo.

felicidade e trabalho

“Carreiras significativas nascem de um casamento entre o propósito pessoal e o papel que essa pessoa desempenha em uma empresa. Isso é válido, não importa de que geração e indústria estamos falando. No fim das contas, encontrar um propósito real faz com que as pessoas se disponham a trabalhar mais, com mais diligência e com mais paixão”, observa Karl Moore, professor das universidades McGill e Oxford e autor do artigo em inglês How To Increase Your Performance By Finding Your Purpose ( “Como melhorar seu desempenho ao encontrar seu propósito”).

Como encontrar propósito na sua vida profissional?

O lado bom de toda essa história é: se não encontrar seu propósito, você pode criá-lo. A Harvard Business Review afirma que “quase qualquer trabalho pode ter um propósito extraordinário”. Não importa se você é encanador, artista ou banqueiro — o que importa é identificar como você utiliza suas habilidades para ajudar outras pessoas.

Find purpose in your life venn diagram

Aqui estão algumas perguntas para você começar a pensar nessa perspectiva mais ampla, além de um modelo de quadro do Trello que pode ajudar você a dar mais foco à sua reflexão:

Onde seus interesses se sobrepõem?

Liberte sua imaginação. Você adora animais e ciências? Escreve bem e gosta de viajar? Tem uma mente analítica e gosta de aconselhar? Há inúmeras combinações que podem levar ao seu emprego dos sonhos. (É só investigar se alguém vai querer pagar você por essa combinação.)

O que você sempre gostou de fazer?

Novamente, é importante responder com total honestidade e não se restringir quando fizer essa pergunta. Para muitas pessoas, descobrir seu propósito de carreira se relaciona às suas habilidades naturais ou ao que elas sempre gostaram de fazer quando mais jovens.

Você construía cidades de Lego? Aconselhava suas bonecas? Ganhava todo jogo de Banco Imobiliário? Use suas respostas como dicas da sua voz interior tentando indicar o que você deveria fazer.

Quem você quer ajudar?

É fácil se envolver no lado egoísta de contemplar o propósito da sua própria vida. Em vez disso, pense que, para a maioria das pessoas, é o impacto que elas querem ter no mundo ou a ajuda que elas querem oferecer que traz sentido ao seu dia a dia.

Talvez você queira defender uma causa ou ajudar um grupo de pessoas — algo significativo para você. Procurar uma motivação mais profunda, distante do seu ‘eu’, é outra forma de identificar seu propósito profissional.

Você perde a noção do tempo quando está fazendo o quê?

Você se lembra da última vez em que realmente se sentiu presente no momento? Talvez tenha sido cozinhando, cuidando do jardim ou falando com alguém no telefone.

Quem sabe você estava correndo, escrevendo ou dando aula. Seja o que faz o seu tempo voar, não descarte como apenas um hobby! Como você pode incorporar elementos dessa atividade, no seu trabalho de alguma forma?

Como encontrar um propósito no ponto em que você está?

Por fim, a busca por alinhar seu trabalho com suas paixões talvez leve a uma mudança drástica de carreira… mas não precisa ser assim. Pode ser tão simples quanto explorar novos papéis na empresa, mudar a forma como realiza suas tarefas ou falar com seu chefe sobre o trabalho que você faz na sua posição atual.

Essas perguntas essenciais frequentemente exigem bastante tempo de reflexão até você realmente chegar a uma conclusão real. A parte boa: é fácil colocar as perguntas em um quadro do Trello! Transforme cada pergunta no título de uma lista e, ao pensar em itens, adicione-os como cartões na respectiva lista. Veja o exemplo:

felicidade-trabalho

Copie e deixe o quadro com a sua cara!

Quanto melhor você se conhecer e quanto mais perder o medo de explorar essas questões existenciais, mais você consegue buscar o senso de bem-estar que você tanto procura. Se isso inclui um trabalho que se alinha melhor com seu propósito, então vale a pena fazer essas perguntas importantes!

Seja algo negativo ou positivo, adoraríamos ouvir o que você acha. Escreva para atendimento@trello.com.

Leia mais: Mais flexibilidade no trabalho = mais produtividade?