Os quatros Ps: como alcançar suas metas e objetivos pessoais com OKRs e o Trello

metas e objetivos pessoais

Aqui vai um fato triste: somente 8% das pessoas atinge suas resoluções de Ano Novo. No final do ano passado, eu comecei a fazer grandes planos para 2017. Mas percebi que precisava de algo melhor do que prometer a mim mesmo que iria alcançar minhas metas. Eu precisava de OKRs pessoais.

Na Atlassian, nós definimos metas e fazemos planos usando o framework de OKRs (Objectives and Key Results, em português Objetivos e Métricas Principais). A cada trimestre, nós estabelecemos objetivos (os ‘O’s) e métricas (‘KR’s) para ajudar nossa equipe a focar seus esforços no que é mais importante para a empresa. Eu vi minha equipe alcançar alguns números bem grandes usando OKR’s como uma luz guia. Então eu pensei, por que não tentar esse tipo de definição de meta em mim mesma?

No final de 2016, eu e meu marido tivemos uma longa conversa sobre todas as coisas que queríamos fazer. (Dica de profissional: ter essa conversa com meu parceiro foi o primeiro passo para o sucesso). Nossa primeira meta foi se divertir e viajar juntos - algo que nós negligenciamos nos últimos anos devido a reforma da casa. Mas não queríamos parar por aí.

Nós queríamos nos divertir ao mesmo tempo que riscássemos alguns itens da nossa lista de sonhos. Nós colocamos nossos OKRs como os quatros Ps: Promoção, Plataforma, Publicar e Diversão (Play). E porque todas as coisas boas vem com uma hashtag, nós apelidamos o plano de um ano como #Yolo17 (YOLO é uma abreviação do inglês para You Only Live Once, que significa Você Só Vive Uma Vez, para quando fazemos coisas que nos dão a sensação que estamos aproveitando a vida).

Colocando uma meta pessoal em ação

Um pequeno resumo, nós dois trabalhamos com tecnologia e temos funções focadas em planejamento. Nós somos planejadores. Pessoas de listas. Então uma vez que tínhamos o tema (#Yolo17) e objetivos (os quatro Ps), o resto deveria ter se ajeitado naturalmente. Quero dizer, nós fazemos isso para viver, deveria ser fácil fazer para minha vida pessoal, certo?

Errado.

Aplicar práticas do trabalho para a vida pessoal é muito difícil. Você não tem um time para te ajudar a executar, nem um chefe que o responsabiliza, ou prazos de entrega, ou realmente alguém que te motive além de você. E quando o trabalho é realizado, sejamos honestos, ninguém se importa. Ninguém liga se eu alcanço meu “OKR” de Diversão. Na verdade, as pessoas provavelmente vão ficar irritadas ao ver ele no meu Instagram.

Se eu ia levar isso a sério, tinha que fazer as pessoas ao meu redor levarem a sério também. Eu escrevi o plano inteiro para o ano, incluindo as métricas principais, táticas e até mesmo algumas estratégias em um Documento do Google. E então compartilhei com todo mundo que seria impactado por isso. Meu chefe, meus amigos, minha família, todos os estranhos que me seguem nas redes sociais e meus cachorros.

Mesmo que isso pareça ridículo, foi na verdade a parte mais importante. “Eu não posso ir ao seu casamento porque estou em Aspen entrevistando algumas pessoas para meu livro…”. É um pouco mais fácil de engolir com: “Porque é uma meta pessoal minha e é necessário fazer algumas compensações para realizar grandes objetivos.”

Aqui vai um print dos meus OKRs:

OKR metas e objetivos

A execução

Bastou escrevermos o plano para sentirmos revigorados e assustados. Havia muito para se fazer. Como qualquer nerd da produtividade vai dizer a você, a forma de combater tarefas grandes e assustadoras é quebrá-las em pequenos blocos de trabalho.

Foi assim que o Trello entrou na história.

Eu construí um quadro do Trello chamado “Os Quatro Ps”. Eu usei o Trello porque eu queria ver um progresso visual conforme avançava nas minhas metas e objetivos pessoais. Queria manter a lista de tarefas, notas e fotos em um único lugar. Era menos sobre gerenciar minhas metas em um quadro Kanban com colunas de status e mais sobre ver o progresso com grandes marcos e incluindo “Feito”. Se você se motiva ao incluir o “Feito” como eu, essa é a forma perfeita para dar a si mesmo um pequeno reforço positivo ao longo do caminho. E mais, olha como é lindo!

Trello metas e objetivos pessoais

Para o quadro de OKR, eu fiz em alto nível. Eu acrescentei o “Porquê” a um cartão no topo de cada coluna, para lembrar a mim mesma porque eu ia fazer isso ou aquilo. Então comecei a listar todas as coisas que pensei ser necessário para sentir que cada objetivo pessoal estava completo.

Para a lista “Diversão”: Meu marido e eu sentamos por uma hora com um calendário e planejamos o ano inteiro, certificando-se que nenhum fim de semana de três dias não tivesse sido planejado. Claro, isso teve alguns ajustes porque algumas viagens de trabalho apareceram ao longo do caminho. Por exemplo, eu fui a Austrália, Havaí, Portugal e Chile a trabalho. A boa notícia é que eu pude surfar em dois dos quatros lugares. A má notícia é que foi sem meu marido.

Para a lista “Promoção”: Nós dois nos comprometemos a dar tempo para que o outro pudesse realmente focar no seu trabalho. Isso foi realmente difícil, porque fizemos muitas viagens separados, trabalhamos até tarde da noite e bem cedo pela manhã e algumas vezes nos sentimos como navios passando à noite. Eu fiquei feliz que essa meta pessoal estava equilibrada com o nosso compromisso de “Diversão”, porque os dois eram desejados e necessários para nos manter motivados e felizes. Eu também fico feliz em dizer que nós dois fomos promovidos esse ano.

O objetivo de “Publicação” foi minha meta mais audaciosa. Terminar um livro era o que eu mais queria fazer, exigia muito comprometimento pessoal e era o mais difícil de alcançar. Por isso, eu contratei um coach de escrita. Eu precisava de uma perspectiva externa, motivadora e mentora para me ajudar a dividir o trabalho e me orientar na direção certa. Recomendo isso a qualquer pessoa que tenha uma meta pessoal audaciosa como essa. Coach’s não são só para esportes.

Também acabei fazendo um quadro no Trello separadamente para gerenciar esse projeto. Meu livro é não-ficção e exigia muita pesquisa, o que o tornou ainda mais desafiador. Esse quadro era mais para gerenciamento do projeto do que para motivação com colunas de Para fazer (To do), Em Andamento (In Progress) e Feito (Done).

Eu também mantive notas e ideias aqui. Ter uma única fonte de verdade para um grande e cabeludo projeto foi incrivelmente útil.

quadro do trello para metas

Embora eu não tenha publicado meu livro esse ano, eu terminei ele. O processo de definir uma meta audaciosa como essa me ensinou muito sobre gerenciamento de tempo, priorização, grade e como realmente manter OKRs pessoais. O que me leva às lições aprendidas...

7 Aprendizados de 365 dias de OKRs pessoais

Lição #1: Se comprometer demais é um erro de novato.

Crie metas pessoais audaciosas, mas também seja realista. A vida é cheia de eventos inesperados, gripes, consultas no veterinário, novos sobrinhos nascendo. Deixe tempo e espaço em seu cérebro para o inesperado, o que também significa estabelecer menos metas e objetivos pessoais. Para mim, originalmente havia 5 Ps. “Philantropy” (Filantropia) era algo que tinha focado no ano anterior. Eu não parei de fazer trabalhos voluntários esse ano, mas não priorizei eles.

Lição #2: Seja ágil.

Se algo não está funcionando, avalie, ajuste, mude suas expectativas, reinicie, tente de novo. Não se trata de envergonhar-se por falhar, se trata de incentivar a si mesmo para definir metas audaciosas e ver o que você pode realizar. Eu comecei o ano a todo vapor e defini metas muito audaciosas. Eu estava estressada e nervosa e sentia que não estava indo a lugar nenhum. Então, em Março, eu olhei para minhas metas pessoais e tirei a prioridade da “Plataform” (Plataforma) porque estava muito difícil gerenciar ela com todo o restante. Mas em Setembro eu entreguei meu manuscrito para edição, o que liberou muito tempo. E pouco tempo depois, duas oportunidades de palestrar surgiram e eu pude voltar a meta da “Plataform” de novo.

Lição #3: Compartilhe suas metas e objetivos pessoais com amigos, família e chefe.

Desta forma, você criará responsabilidade, mas também uma rede de apoio em torno dos seus objetivos. Você ficaria surpreso em como simplesmente compartilhar suas metas pessoais com outras pessoas as tornam reais. Também se cria uma cultura de abertura e transparência. As pessoas não podem te ajudar se elas não sabem o que você está tentando alcançar.

Lição #4: Escreva-as.

Mantenha uma lista e confira. Ou simplesmente escreva-as e nunca olhe para elas de novo. Escrever suas metas e objetivos pessoais te dá foco e transforma uma ideia em uma coisa. Se você é parecido comigo, você deve escrevê-las e esquecer. Então um ano depois, encontre-as, olhe pra trás e pense “wow, eu realmente fiz isso!”.

Lição #5: Dizer sim é dizer não para outra coisa.

OKRs dizem menos sobre como atingir metas exatas e funcionam mais como um processo para tomada de decisão. Você precisa fazer trocas e compensações. Grandes. Algumas das compensações que fizemos foram casamentos fora da cidade, fazer exercícios regularmente, happy hours e economizar dinheiro extra.

Lição #6: Pense grande.

Você nunca sabe onde está seu teto se não começar a jogar coisas nele. É realmente incrível a quantidade de tempo que você consegue criar para si mesmo com só um pouco de foco e força de vontade para fazer algumas compensações.

Lição #7. Encontre formas de se incentivar positivamente.

Alcançar as metas e objetivos pessoais não pode ser assim; é muito grande. No mundo ágil, não existem grandes lançamentos. Defina pequenas marcos e metas ao longo do caminho e certifique-se de parar e reconhecer o trabalho que você tem feito para alcançar esses marcos.

Então, como se desenrolou o #Yolo17?

Esse ano nós viajamos para 5 países, 3 continentes, 15 cidades, palestramos em duas conferências alcançando cerca de 1.000 pessoas, alcançamos 10% da minha meta de seguidores nas redes sociais, publicamos quatro posts no Medium, pensamos o quanto é importante ter seguidores… YOLei com meu marido, resgatei dois chihuahuas, comecei uma série de palestras filantrópicas na Atlassian, fui promovida, terminei meu livro, enviei ao meu editor, fiz o design da capa do livro, aprendi a surfar, ganhei peso com todo o queijo e vinho, comprei um carro novo e mantive o bronze durante todo o ano. Em suma, eu diria que foi um ano muito bom!